Terça, 23 de outubro de 2018
89 98106-9327
Política/Eleições

11/10/2018 ás 08h07 - atualizada em 11/10/2018 ás 21h00

JEFERSON FERREIRA

Corrente / PI

Diferente de São Paulo, que elegeu palhaço e ator pornô, Piauí não elegeu nenhuma celebridade
Confira os famosos piauienses que tentaram se eleger nessas eleições.
Diferente de São Paulo, que elegeu palhaço e ator pornô, Piauí não elegeu nenhuma celebridade

Diferente de estados como São Paulo, que elegeu o Palhaço Tiririca e o ator pornô Alexandre Frota, o Piauí não elegeu algumas de suas celebridades ou famosos que concorreram nas eleições deste ano. Nem mesmo medalhões que já há um bom tempo mesclam em ser artista e político, como é o caso do cantor Frank Aguiar, que já foi deputado federal e vice-prefeito, conseguiram se sair bem. Frank tentou ser eleito senador pelo Piauí e chegou a aparecer bem nas pesquisas, em segundo lugar, podendo até ser eleito. Terminou em um distante quinto lugar com apenas 5% dos votos.


 


     Para se ter uma ideia do quanto não adiantou muito ser famoso no Piauí, a maior celebridade dos últimos anos, que desde 2017 apareceu com destaque na mídia nacional, não conseguiu alcançar 500 votos.Foi o também cantor Gleifi Brauly, que amargou um percentual de míseros 0,03% do total de votos na disputa para deputado estadual. E olha que seus vídeos nas redes sociais têm ultrapassado a marca de 1 milhão de views. Entre os cantores que se lançaram candidatos, a propósito, existia a possibilidade de que um deles entrasse. Era Francis Lopes, que foi candidato a deputado estadual. Como suplente ele atuou na Assembleia Legislativa e seu grupo político esperava que conseguisse uma boa estrutura. Frustrou as expectativas com apenas 0,40% dos votos.


 


COMEDIANTES


     Desta vez apenas dois comediantes, entre os mais conhecidos, se lançaram candidatos. Aliás, um deles nem é tão conhecido assim, mas por ter participado de programas na TV Meio Norte e fazer shows stand-up, entra nesta categoria. É o Zé do Ovo. Sua votação não foi lá essas coisas, mas foi melhor que o Gleifi: obteve 0,04%. O outro é o Quem Quem, que é um tipo de comediante que só aparece em tempos de eleição. O que todos se perguntam é o que faz e para onde vai Quem Quem durante os períodos pré e pós eleição. Ele simplesmente some. Este ano foi candidato a senador e registrou apenas 0,7% do total de votos.


 


JORNALISTAS


     Não tem como não lembrar dos jornalistas que foram candidatos, especialmente os que atuaram ou atuam com televisão. Entre os mais conhecidos está Silas Freire, que até pouco tempo comandava o programa de maior audiência no horário do almoço na TV Meio Norte.


     Tendo assumido como deputado federal, ele esperava desta vez se eleger sem precisar esperar por uma suplência. Até porque mostrou resultado atuando na Câmara. Mas, mais uma vez bateu na trave. Voltou a ser suplente. A diferença é que agora é pela oposição e dificilmente será chamado. Os outros dois jornalistas candidatos foram Fernanda Lobo, ex-TV Assembleia, que não passou de 0,04% na disputa para uma cadeira de deputada estadual, e Genival Oliveira, ex-TV Clube, com 0,54% dos votos tentando uma das vagas como senador.

FONTE: OitoMeia

O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos o direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas. A qualquer tempo, poderemos cancelar o sistema de comentários sem necessidade de nenhum aviso prévio aos usuários e/ou a terceiros.
Comentários
Veja também
Facebook
© Copyright 2018 :: Todos os direitos reservados