Luciano Nunes critica 'inchaço da máquina' no governo

O Piauí possui hoje 69 secretarias estaduais, é o dobro de ministérios.

Por REDAÇÃO B1 14/05/2018 - 03:21 hs
Foto: Arquivo B1
Luciano Nunes critica 'inchaço da máquina' no governo
Luciano e Jota

O deputado estadual Luciano Nunes, pré-candidato do PSDB ao governo do Piauí, criticou o que considera “inchaço da máquina pública” estadual. Luciano Nunes defende a necessidade de diminuição do número de pastas do governo do Piauí, que de acordo com ele, são 69 atualmente, dentre secretárias e coordenadorias com status de secret.

“A máquina hoje está muito inchada. Certamente eu deixaria bem menor do que é hoje. Temos 69 secretarias ou coordenações com status de secretaria. Nem o governo federal, que já é criticado pelo excesso de números de ministérios tem tantas pastas assim. São 35 ministérios lá. Aqui são 69, quase o dobro”, opinou o pré-candidato.

Sobre a pré-campanha, o parlamentar afirma que continua enxergando nas pessoas um sentimento de inconformismo e indignação. Ele afirmou que as pessoas não aceitam que o governo não tenha respostas enérgicas aos anseios da população e ao contrário, gaste cada vez mais com aumento de pastas, por exemplo.

“O que a gente percebe é um sentimento de mudança de postura política e administrativa, existe sentimento de inconformismo e indignação muito grande no Estado, com a paralisia que o estado vive hoje. O estado virou um caos, nenhuma atividade pública hoje funciona", afirmou.

Luciano Nunes disse que já visitou mais de 70 municípios do Piauí em quatro meses de pré-campanha, conversando com vários segmentos como religioso, de trabalhadores, jovens, associações e sindicatos. 

Ele também comentou sobre a vinda do pré-candidato do SDB à presidência da República, o ex-governador de São Paulo Geraldo Alkmin, que esteve em Teresina na semana passada. De acordo com Luciano, Alkmin é o candidato mais preparado para assumir a presidência no momento atual.

“Além disso, ele demonstrou conhecimento sobre a realidade do Nordeste do Piauí, sobre pontos de estrangulamento do nosso estado. Qualquer candidato precisa ter uma preocupação com o Nordeste, porque temos uma desigualdade grande em relação ao sul e sudeste”, observou.