Preços baixos é na loja ASTRO-REI de Bom Jesus, realize o seu sonho agora mesmo...
Senac - topo
kamila Vargas
Center cell
Rechaud top
BRASIL

Brasil recusará ajuda de R$ 83 milhões oferecida pelo G-7 para a Amazônia

O Planalto não informou o motivo para recusar os valores.

Piauí, Brasil, Mundo

Piauí, Brasil, MundoNotícias do Piauí, Brasil e Mundo

27/08/2019 09h51Atualizado há 4 semanas
Por: João Victor
Fonte: Portal R10

O Palácio do Planalto informou na noite desta segunda-feira, 26, que rejeitará ajuda de US$ 20 milhões, equivalente a R$ 83 milhões, prometidos pelo G-7, o grupo de países mais ricos do mundo, para auxiliar no combate a incêndios na Amazônia.

O Planalto não informou o motivo para recusar os valores. O presidente Jair Bolsonaro (PSL) e ministros têm dito que não há anormalidade nas queimadas e que países europeus tentam fragilizar a soberania do Brasil sobre a floresta. A informação do Planalto, no entanto, contradiz o ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, que mais cedo disse que a ajuda do G7 era "bem-vinda". 

Interlocutores do presidente afirmam que qualquer anúncio de apoio feito sem diálogo direto com o Brasil será rejeitado pelo governo. "Acreditamos que o assunto deve ser encapsulado como uma questão sul-americana, dos países amazonicos, e não como um tema global", disse um aliado do presidente. 

A recusa do Planalto ao apoio europeu é um sinal de que o Brasil quer restringira cooperação a países da região amazônica e líderes considerados aliados do presidente. No último caso, o governo brasileiro aceitou o apoio de Israel com o intuito de desenvolver um mecanismo de auxílio mútuo e cooperação técnica em ações de resgate e combate a desastres naturais. Também há disposição para criar uma política ambiental com os Estados Unidos, ainda sem detalhes.

Segundo pessoas próximas, o presidente não conversou com o presidente francês, Emmanuel Macron. Caso ele queira ajudar o Brasil, afirmam que ele terá que pedir para falar com Bolsonaro.

Bolsonaro voltou a se reunir nesta segunda com ministros para tratar dos incêndios na floresta. Após a conversa com o presidente, o ministro da Defesa, Fernando Azevedo disse que a situação na Amazônia está controlada e que cerca de 2700 militares das Forças Armadas estão prontos para atuar na região.

Ainda nesta segunda, o governo teve novo embate com o presidente da França, Emmanuel Macron, que falou sobre conferir status internacional à floresta. "Sobre a Amazônia falam brasileiros e as Forças Armadas", rebateu o porta-voz da Presidência, general Rêgo Barros.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.