Quarta, 15 de Julho de 2020 09:05
89 98115-5652
Dólar comercial R$ 5,35 -0.735%
Euro R$ 6,1 -0.432%
Peso Argentino R$ 0,08 -0.658%
Bitcoin R$ 52.288,33 -0.311%
Bovespa 100.440,23 pontos +1.77%
Notícias PIAUÍ

Greve na saúde pública do Piauí começa nesta quinta-feira (25)

Veja o que os servidores reivindicam.

24/06/2020 15h46 Atualizada há 3 semanas
Por: Felipe/Gilbués Fonte: R10
Greve na saúde pública do Piauí começa nesta quinta-feira (25)

Servidores da Saúde Pública do Piauí (exceto médicos) iniciam uma greve por tempo indeterminado a partir desta quinta-feira (25).

O movimento grevista começa a partir das 07h30, com ato de protesto em frente ao Hospital Getúlio Vargas (HGV), e segue em passeata até o Palácio de Karnak, onde farão outro ato.

A greve foi deflagrada na sexta-feira passada (19/06) em assembleia do Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde Pública do Piauí (SINDESPI), juntamente com o Sindicato dos Enfermeiros, Auxiliares e Técnicos de Enfermagem do Piauí (SENATEPI) com apoio do Sinfito, Sinttearpi, Crefito e Coren-PI, representando fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, enfermeiros e radiologistas.

Nesta quarta-feira (24/06) encerrou o prazo de 72 horas para o início da greve e, a partir de amanhã, os hospitais funcionarão com apenas 30% dos trabalhadores.

Entre as principais reivindicações estão o não pagamento do Adicional de Insalubridade de 40%; a baixa qualidade dos Equipamentos de Proteção Individual fornecidos pela SESAPI durante a pandemia de Covid-19; além de diversas denúncias de assédio moral que o sindicato tem recebido de diversas regiões do Estado.

“Nosso Adicional de Insalubridade está congelado desde 2007. O governo alega que não tem uma regulamentação e nós exigimos que se providencie, que regulamente a insalubridade dos servidores do Estado. O assédio moral aos servidores é generalizado e contribui para o adoecimento da categoria. Nós reconhecemos a dificuldade do momento com essa pandemia, mas o governo massacra o servidor há muito tempo e não dá mais para aguentar” desabafa a presidente do Sindespi, Geane Sousa.

O presidente do Senatepi, Erick Ricelley, defende que a greve é necessária porque tem reinvindicações urgentes.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.