Terça, 04 de Agosto de 2020 05:39
89 98115-5652
Dólar comercial R$ 5,31 1.834%
Euro R$ 6,25 +1.688%
Peso Argentino R$ 0,07 +1.662%
Bitcoin R$ 63.581,89 -0.748%
Bovespa 102.829,96 pontos -0.08%
Notícias PIAUÍ

Governador quer utilizar R$ 500 milhões da educação na pandemia

O governo argumenta que teve perda de receita e aumento de despesas.

24/07/2020 08h37
Por: João Victor Fonte: Cidade Verde
Governador quer utilizar R$ 500 milhões da educação na pandemia

O governador Wellington Dias entrou com Ação Direta de Inconstitucionalidade com pedido de Medida Cautelar no Supremo Tribunal Federal (STF) para utilizar parte dos recursos do precatório do Fundef no combate à pandemia do novo coronavírus. O valor que o governador quer utilizar soma R$ 572 milhões, correspondendo a mais de um terço de todo o precatório. O governo argumenta que teve perda de receita e aumento de despesas.

O precatório que o Governo do Piauí ganhou soma R$ 1,62 bilhão referentes a diferença de recursos que o governo federal deixou de repassar durante dez anos, até 2006. Esse dinheiro, no entanto, está vinculado à educação com regras restritivas (por exemplo, não pode ser usado para pagar pessoal). O TCE já tinha cobrado do governo um plano de aplicação do valor.

Conforme o Secretário de Governo, Osmar Júnior, o total de recursos do Fundef será utilizado de 2020 até 2023. O governo entende que esse valor ressarcido através do precatório já foi investido pelo Estado em seu tempo, com dinheiro deslocado de outras áreas. Isso justificaria o uso de parte do R$ 1,62 bilhão que o estado recebeu.

Dinheiro será reposto no futuro

Na ação, assinada pelo governador Wellington Dias na terça-feita, O governador justifica que o Estado teve perda de arrecadação da ordem de R$ 274 milhões, que se somam a despesas inesperadas de R$ 292 milhões com a pandemia. A soma é de R$ 566 milhões. Mas o governo pede autorização do STF para usar R$ 572 milhões, correspondendo a 35% do total do precatório.

O secretário de Governo, Osmar Júnior, destaca que os recursos do precatório do Fundef não serão utilizados integralmente este ano, mas em um cronograma de obras que se estende até 2023. "O que for usado agora pelo governo para combater a pandemia será reposto em seguida para uso específico na educação", disse.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.