Sexta, 05 de Março de 2021 19:54
89 98127-8118
Dólar comercial R$ 5,68 0.447%
Euro R$ 6,77 -0.03%
Peso Argentino R$ 0,06 +0.36%
Bitcoin R$ 294.298,04 +1.004%
Bovespa 115.202,23 pontos +2.23%
Notícias GILBUÉS-PI

Gilbués: Famílias indígenas são despejadas e casa é incendiada

Um indígena que perdeu toda sua plantação e nem pôde tirar seus pertences de dentro de casa fez um apelo às autoridades.

15/01/2021 08h54 Atualizada há 2 meses
Por: Redação Geral Fonte: CPT Piauí

Na tarde dessa quinta feira, 14 de Janeiro, Adaildo José Alves da Silva, indígena Gamela, trabalhava na sua roça enquanto sua companheira fazia o jantar no território Morro D'água, município de Gilbués-PI. Por volta das 16h foram surpreendidos por uma ordem de despejo de autoria do juiz da Comarca de Gilbués. Bauer Souto dos Santos, autor da ação, chegou à comunidade com a presença de um Oficial de Justiça e acompanhado de policiais militares e outras pessoas. Chegaram à casa de Adaildo e impuseram-lhe o despejo. Ainda houve a destruição de cercas e retirada dos bens da casa da família.

"Eu estava na roça trabalhando quando escutei minha mãe gritar, passou três caminhonetes: a Polícia Militar, o Bauer mais a filha, um oficial de justiça e outros que eu não sei quem são. Eles trouxeram a ordem de despejo do juiz e eu fui obrigado a assinar. Acontece que isso foi de repente e eu não tenho como sair hoje de dentro da minha casa por causa das minhas coisas, mas eles disseram que tinha que desocupar hoje mesmo e que o oficial de justiça e a polícia iam ficar lá até sete horas da noite e ai eu deixei meus meninos arrancando tudo lá pra levar pra casa da minha mãe, a gente já tava fazendo até a comida, já eram quatro horas da tarde, ai teve essa desordem lá”, conta o indígena. 

“Eu faço um apelo às autoridades e às leis federais que tomam de conta dessa parte, os juízes, pra ver qual o lado positivo... e como eu vou levar minhas coisas de uma hora pra outra se eu não tenho nem caminhonete nem caminhão?”, questionou. 

“Agora eu vou perder a mandioca, o feijão,  eu não entendi não. Fica meu apelo às leis, autoridade e amigos, advogados do Brasil, pra Funai, pra todo mundo", finalizou Adaildo.

O desabafo de Adaido José foi colhido pela Comissão Pastoral da Terra.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.