Quinta, 04 de Março de 2021 15:14
89 98127-8118
Dólar comercial R$ 5,61 -0.955%
Euro R$ 6,74 -1.24%
Peso Argentino R$ 0,06 -1.15%
Bitcoin R$ 287.739,83 -4.559%
Bovespa 112.911,02 pontos +1.55%
Notícias PIAUÍ

MPF recomenda ao Piauí que não envie vacinas a outros estados

Wellington Dias deseja enviar doses para Manaus.

26/01/2021 10h42 Atualizada há 1 mês
Por: Redação Geral

O Ministério Público Federal (MPF) recomendou ao governador do Piauí, Wellington Dias, que não envie a outros estados parte das doses recebidas pelo Ministério da Saúde para vacinação da população piauiense contra a Covid-19. A recomendação é da Procuradoria Regional dos Direitos do Cidadão com autoria do procurador regional dos Direitos do Cidadão, Kelston Pinheiro Lages. 

O MPF pede que o governador “se abstenha de encaminhar parte das vacinas destinadas à população do estado do Piauí a qualquer outro estado da federação”.   O MPF “também recomendou que diligencie para que seja cumprido o Plano Nacional de Vacinação, do Ministério da Saúde, de modo que sejam aplicadas em toda a população piauiense (grupos prioritários) a quantidade de vacinas destinadas ao Estado do Piauí”. 

Segundo informou o MPF, “Kelston Lages determinou o prazo de cinco dias úteis para que o Ministério Público Federal seja informado do acolhimento da recomendação e das providências adotadas no sentido de fazê-la cumprida, juntando-se cópia da documentação pertinente”. 

A recomendação do MPF surgiu após o Fórum dos Governadores decidirem juntamente com o Ministério da Saúde uma cota extra ao estado do Amazonas, devido o colapso na rede de saúde diante da falta de oxigênio nos hospitais para tratamento das pessoas infectadas pelo novo coronavírus.  O Fórum Nacional dos Governadores propos ao Ministério da Saúde que repasse para o estado do Amazonas 5% das novas remessas de doses de vacina contra a covid-19 que chegarem ao Brasil. O restante seria rateado entre os estados. 

Devido o colapso na Saúde no Amazonas, o Piauí já recebeu pacientes do Amazonas para continuar o tratamento no Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí, alguns já receberam alta médica e retornaram ao estado.

Em entrevista na época de decisão, Wellington Dias, que é presidente do Consórcio Nordeste, falou que a decisão dos governadores pelo Fórum foi técnica. Cerca de 300 mil vacinas a mais serão repassadas para o Amazonas, a fim de atender a capital Manaus e municípios mais afetados pela crise na rede de saúde. “É uma ação não só humanitária, mas estratégica para evitar a propagação (do vírus)”, disse. 

Para Kelston Lages, a destinação de 5% das doses para outro estado representa, não apenas violação ao Plano Nacional de Vacinação, como também o desamparo dos grupos de riscos locais. 

Na recomendação, “o procurador destaca que é de conhecimento público o estoque limitado de doses de vacinas atualmente disponível no país, condição esta que tende a se agravar diante dos recorrentes impasses diplomáticos para a importação de insumos necessários para a fabricação de novas doses”, diz o MPF.  A recomendação também destaca o respeito aos grupos prioritários, além de maior fiscalização e transparência na campanha de vacinação. 

Ao Cidadeverde.com, o Governo do Estado enviou uma nota de esclarecimento. Veja na íntegra:

O Governo do Piauí informa que não envia vacinas para o Amazonas, mas sim o Governo Federal, por meio do Ministério da Saúde. Todas as vacinas recebidas no Piauí são aplicadas no próprio estado, obedecendo o Plano Nacional de Imunização (PNI). Esclarece ainda que a possibilidade de envio (pelo Ministério da Saúde) de 5% das doses disponíveis no país para o estado do Amazonas foi uma ação discutida entre técnicos do Ministério e o Fórum Nacional de Governadores para que estados em situações de colapso, seja o Amazonas ou qualquer outro, tenham a atenção devida para a reversão do quadro.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.