Domingo, 18 de Abril de 2021 19:55
89 98127-8118
Notícias GILBUÉS-PI

Breno Aguiar de Gilbués é acusado de crimes hediondos

Confira na íntegra o relato do Boletim de Ocorrência registrado contra o mesmo.

27/03/2021 09h30 Atualizada há 3 semanas
Por: Redação Geral Fonte: https://midiatecnoticias.com.br/2021/03/25/breno-aguiar-e-acusado-de-crimes-hediondos/
Breno Aguiar de Gilbués é acusado de crimes hediondos

Breno Aguiar é bastante conhecido na região, inclusive pesa sobre o mesmo vários outros tipos de acusações de outras situações, o mesmo já trabalhou na Prefeitura de Gilbués-PI e atualmente atua na gestão de Monte Alegre do Piauí

Confira na íntegra o relato do Boletim de Ocorrência registrado em Gilbués no dia 22/03/2021.

A vítima, relata que na data de 21 de março de 2021 por volta de 02h da manhã, estava em uma festa no interior de Monte Alegre, quando a Polícia Militar chegou e encerrou a festa. A vítima relata que queria voltar para a sua casa e que Breno Aguiar lhe ofereceu carona até sua residência.

No meio do caminho, em direção à Gilbués, Breno tentou ficar com a vítima e passou a mão em suas partes íntimas, demonstrando o intuito de ter conjunção carnal com a vítima. A vítima afirma ter se sentido constrangida com as atitudes de Breno. Diante da recusa a ameaçou com uma arma de fogo, e perguntou à vítima o motivo de ela não querer ficar com ele. Perguntou à vítima. “Você ainda é virgem e é por isso que você não quer ficar comigo?”. A vítima recusou-se a responder. Com raiva, Breno falou para a vítima: ” Agora você vai me pagar!”.

Com o carro em alta velocidade, a vítima afirma que cogitou sair do carro, mas que desistiu da ideia em virtude do perigo. Breno falou para ela: “Se você pular você vai morrer! Se eu te matar aqui, ninguém irá saber que fui eu.” Breno continuou mostrando a arma de fogo para a vítima e proferiu ameaças de morte. A vítima afirma que estava gravando vídeos de Breno, no intuito de lhe servirem como prova do fato. Breno parou o carro próximo à localidade de Salinas. Ele desceu do carro, abriu a porta do lado do passageiro e puxou a vítima para fora do carro, puxou-lhe os cabelos e mediante violência lhe tomou o celular. Em seguida a abandonou no meio da BR 135.

A vítima afirma que caminhou muito até avistar uma casa com as luzes acesas. O proprietário da residência a acolheu e a deixou dormir em sua casa. Na manhã seguinte, a vítima pegou carona com um desconhecido e retornou para sua casa.

Esse é o relato.

Os supostos crimes atribuídos a Breno Aguiar são:

20126: Roubo com emprego de arma de fogo (Art. 157 § 2° A Inc. I do CPB) (Crime hediondo)

181: Tentativa de estupro com emprego de arma de fogo (Art. 213 Caput do CPB) (Crime hediondo)

* Os dados da vítima foram preservados.

VEJA UMA NOTA PUBLICADA PELO MESMO NO FACEBOOK: A respeito de uma matéria que anda circulando nas redes, venho informar que não tenho conhecimento do documento, nada me foi apresentado formalmente. E afirmo que os fatos relatados são inverdades e irei provar perante a justiça, e responsabilizar judicialmente pelos danos à minha imagem e principalmente à minha honra. Reitero, inclusive, que estou a disposição para prestar todos os esclarecimentos necessários para elucidar todos os fatos falsos, injuriosos e caluniosos a mim imputados. Destaco, ainda, que: A publicação de notícia sabidamente inverídica no intuito de ofender a honra de alguém poderá caracterizar um dos tipos penais dos artigos 138, 139 e 140, todos do Código Penal, cumulados com a majorante do artigo 141, III, do Código Penal, a depender do caso concreto. No mesmo sentido, a veiculação de notícias falsas, quando o agente visa dar causa à instauração de procedimento oficial contra alguém, imputando-lhe crime de que o sabe inocente, poderá configurar o delito de denunciação caluniosa, tipificado no artigo 339 do Código Penal.
Por fim, de consciência tranquila, afirmo que demonstrei a minha inocência e apontarei um a um por trás dessa calúnia a mim imputada.
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.